Nissan planeja ofensiva ‘verde’ com Leaf e produção de híbridos no Brasil
22 de agosto de 2018 – 15:44 | Comentários desativados

Enquanto prepara mais versões da Frontier, agora produzida na Argentina, e a nova geração do March para os próximos anos, a Nissan quer incluir o Brasil na onda dos veículos elétricos e híbridos, que consomem …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Curiosidades

Tesla Model 3: Dispositivo “móvel” de Elon Musk já tem mais de 232 mil pedidos

Submitted by on 4 de abril de 2016 – 11:21No Comment

tesla-model-3-oficial-1-700x438

O Tesla Model 3 alcançou a marca de 115 mil reservas na primeira hora após a liberação dos pedidos online, fechando as 24 horas após o lançamento com 200 mil reservas. Há pouco mais de 12 horas, Elon Musk publicou nas redes sociais que já haviam 232 mil reservas para o elétrico.

Sem dúvidas, o volume gigantesco de pedidos para o Model 3 evidentemente surpreendeu a todos, inclusive à própria Tesla. Com o enorme volume de pedidos, já se sabe que nem todos conseguirão obter incentivos fiscais de US$ 7.500 do governo americano e mais US$ 2.500 oferecidos por alguns estados.

Isso porque o limite imposto para esta regra (no caso federal) é de 200.000 carros por montadora e a Tesla já tem quase 111 mil emplacados que receberam esse benefício do governo Obama. Logicamente, todos os pedidos feitos de fora dos EUA, inclusive os brasileiros (sim, o Brasil estava na lista de opção de reserva), não serão contemplados.

Ou seja, uma enorme massa de clientes do Model 3 pagará os US$ 35.000 ou mais, dependendo dos opcionais e versões, além de impostos e taxas de seus referidos países. O volume encomendado é muito grande para um início de pré-venda, ainda mais que o carro só estará em produção no final de 2017. As reservas de US$ 1.000 (limite de até 2 carros por pedido) deve gerar um negócio global de US$ 7,5 bilhões ao longo dos anos.

Além disso, todos os mais de 232 mil interessados evidentemente não têm pressa alguma em ter o Model 3 nas mãos. Na melhor das hipóteses, os brasileiros deverão ver o Tesla circulando por aqui em 2019. Elon Musk já disse que inicialmente atenderá as encomendas americanas e depois europeias, para aí sim focar nos demais mercados.

Com pouco menos de dois anos para entrar no mercado, o Model 3 vai gozar de posição privilegiada no segmento de elétricos, pois nenhum rival com suas características e apelo surgiu até o momento. Mas até lá, poderá aparecer algo equivalente no período, já que outros fabricantes estão acelerando seus programas “elétricos”.

O trunfo da Tesla é que seus Supercharger e Powerwall serão oferecidos nos mercados onde a infraestrutura ainda não é adequada para os elétricos. Outras marcas apenas lançam carros elétricos e pouco se preocupam com estações de recarga. Essa garantia de que ninguém ficará a pé é uma das armas de Elon Musk para ter clientes fiéis.

Faca de dois gumes

Mas, mesmo assim, o Model 3 visto na apresentação do dia 31 é apenas um protótipo, devendo receber melhorias e ser devidamente atualizado até chegar aos consumidores. Mas, o que recentemente circula nos EUA, é que a arma da Tesla pode virar uma faca de dois gumes.

O preço inicial é de US$ 35.000, mas com praticamente dois anos pela frente, esse valor pode sofrer alguma alteração por conta dos custos. A opção topo de linha anda sendo estimada em até US$ 60.000. Quem tiver pressa, naturalmente vai procurar uma opção com pronta-entrega. O Chevrolet Bolt já está sendo fabricado e tem quase o mesmo alcance. Custa um pouco mais, mas estará nas garagens americanas muito antes da proposta de Elon Musk, que ainda estará em gestação.

As entregas vão demorar muito, especialmente porque os clientes da marca serão os primeiros a terem direito de compra, depois aqueles dos EUA e Europa. Na China, no entanto, Elon Musk já teria dito que uma fábrica local é necessária para reduzir os custos com importação e outras taxas. Lá, ao contrário dos EUA, a oferta de elétricos é muito mais interessante.

O Model 3

O que chama a atenção no caso do Model 3 – além do carisma de seu empreendedor, Elon Musk – é que ele não é apresentado como um automóvel, mas como um dispositivo (móvel…). É o mesmo que dizer que um smartphone não é um celular. O estilo é exótico, mas não tão agressivo se comparado ao híbrido Fisker Karma, por exemplo.

Em realidade, o Model 3 não é um hatchback e nem tão pouco um liftback, como o Toyota Prius, por exemplo. Ele é classificado como um sedã, exatamente porque o enorme vidro traseiro é fixo e o bagageiro é aberto por uma pequena tampa articulada, que lembra mais aquelas vistas em compactos conversíveis.

Seria mais ou menos como um VW Tipo 3 Fastback aos anos 60, incluindo aí o porta-malas dianteiro. Ou, em nosso caso, um Passat com quatro portas da década de 70. Aliás, as semelhanças com a marca alemã não param por aí. O chassi Skate é o sustentáculo do Model 3, da mesma forma que o chassi do Fusca o foi para muitos modelos da marca.

O conjunto ótico de LED é sofisticado e lembra modelos da Porsche. A ausência de grade também é um impacto muito forte em primeira impressão, quase como indicando o que poderia ser estampado naquela parte do carro. Na traseira, as lanternas de LED seguem o estilo da própria Tesla, herdado do Model S. As rodas apresentadas no evento são muito interessantes.

Esse vazio frontal também é visto no interior, onde o painel simplesmente não possui qualquer comando, tendo apenas uma tela plana de 15 polegadas com navegação, instrumentação, entretenimento e algo mais. O console central parece ter dois porta-objetos e dois porta-copos, além de um apoio de cabeça que deve ocultar outro porta-objeto.

Os bancos com apoios de cabeça integrados são bonitos, enquanto o traseiro (inteiriço) tem três lugares definidos. O teto é de vidro, unindo para-brisa e a enorme vigia traseira, que parte da metade do carro até o diminuto porta-malas. Elon Musk teria exigido isso no projeto, por isso o bagageiro tem acesso ruim.

A Tesla Motors não revelou nenhum detalhe mais técnico do veículo, por isso não se sabe suas medidas. Mas visualmente, ele parece ter em torno de 4,5 metros ou pouco mais. As rodas de liga leve devem ser aro 19 polegadas, mas acredita-se que tenha opção aro 18, assim como teto de metal, que pode ser aço.

A carroceria do Tesla Model 3 poderia ser de alumínio, mas especialistas dizem que o processo produtivo dos Model S e X é tão complexo que o novo carro fracassaria em atender a demanda, tendo ainda um custo muito elevado. Por isso, o aço – especialmente de ultra resistência – teria sido a escolha de Musk para reduzir custos e acelerar a produção.

Aliás, o mesmo reconheceu minutos após a apresentação, que os planos de produção para Fremont terão de ser refeitos por conta de alta demanda. Em resumo, muito do que vemos agora no Model 3 pode mudar até o fim de 2017.

Um dispositivo “móvel”

O modelo é totalmente conectado e atualizado por conexão wireless. Qualquer melhoria, com o tempo, será introduzida gratuitamente (dependendo, é claro, de tecnologias mais específicas) sem o proprietário sequer pensar em sair de casa. Seu alcance de quase 350 km é respaldado por uma rede Supercharger com muitos pontos de recarga ao longo das rotas.

Para quem busca uma condução mais pessoal – o Model 3 vem com hardware do Autopilot de série – e uma performance melhor, a Tesla reservará versões AWD e possivelmente um pacote de performance para reduzir a aceleração de 0 a 100 km/h, que na versão padrão é feita em apenas 6 segundos.

Mas por que há tanto interesse? Elon Musk sabiamente percebeu que as pessoas passaram a desejar produtos inovadores, tal como o iPhone, por exemplo. Vender o Tesla Model 3 não é – em sua visão – comercializar mais um carro elétrico. Ele mesmo diz que quer “evangelizar” as pessoas para essa nova ideia.

Elon também reproduz nas mídias sociais as ideias de Bill Gates sobre o consumo excessivo de gasolina, ainda mais agora que o galão atingiu seu menor preço em mais de uma década nos EUA, reforçando a cultura local de que, se a gasolina está barata, então se deve comprar um carro grande e gastão.

É por essas e outras que Musk não quer transformar a Tesla em mais um fabricante automotivo com concessionárias e suas oficinas cheias de carros para arrumar. Para ele, o consumidor tem o direito de comprar online e receber em casa, sem intermediários, como qualquer produto oferecido na internet. Agora, resta saber se os brasileiros também compartilham dessa mesma visão.

FONTE: Noticias Automotivas
TEXTO: Redação

Comments are closed.