Confira as novidades apresentadas no Salão Duas Rodas
20 de novembro de 2017 – 13:49 | Comentários desativados

As principais empresas do setor de motos do Brasil apresentaram suas novidades para 2018 no Salão Duas Rodas, em São Paulo. Mesmo em um mercado que ainda sente os efeitos da crise econômica, foi possível …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Motos

Substituta da Hornet, Honda CB 650F chega ao Brasil e parte de R$ 28.990

Submitted by on 17 de outubro de 2014 – 11:16No Comment

06

A Honda apresentou nesta quinta-feira (16), no Brasil, as novas CB 650F e CBR 650F, modelos que são a porta de entrada para modelos com motores de 4 cilindros da empresa. As motos custam a partir de R$ 28.990, para a CB, e R$ 30.690, no caso da CBR, com vendas inicias em novembro. Comparando com as antecessoras, CB 600F Hornet (R$ 32.300) e CBR 600F (R$ 33.990), as novidades estão mais baratas.

Veja lista de preços
CB 650F: R$ 28.990
CB 650F com ABS: R$ 31.190
CB 650F com as cores Team HRC (azul, vermelha e branca) e ABS: R$ 31.690
CBR 650F: R$ 30.690
CBR 650F com ABS: R$ 32.890

Apesar de serem as substitutas naturais da CB 600F Hornet e CBR 600F, que saem de linha, a fabricante procurou deixar claro que os modelos não são novas gerações das antecessoras e sim novas motos, com propostas diferentes.

“A Hornet tinha um conjunto mais esportivo, e também mais caro, assim tivemos que mudar o conceito para a nova linha, mais acessível. Esta não é a nova Hornet”, explica Marcos Paulo Monteiro, gerente de planejamento de produto.

A empresa é cuidadosa em tentar explicar a mudança de foco nos novos modelos pelas diferenças entre as antigas motos e as substitutas. Assim, como nas antecessoras, a base de CB e CBR é basicamente a mesmas, compartilhando motor, câmbio e chassi.

O que muda de uma moto para a outra está em pontuais e importantes detalhes. Enquanto a CB 650F segue o estilo naked, deixando o motor à mostra, a CBR 650F segue tendências esportivas com carenagens e semi-guidões mais baixos, para o piloto ficar em posição mais agressiva.

Adeus, Hornet?
O grande desafio da Honda é explicar aos brasileiros, fãs da Hornet, que a moto não estará mais na linha da marca. “Quem sabe a Hornet volta mais para a frente, mais diferenciada”, diz Marcos Monteiro. Nas entrelinhas, a marca já não esconde que trabalha em um modelo, digamos, mais top e de maior cilindrada que deve retomar o nome Hornet no futuro.

“O nome Hornet já não combinava com a nova CB 650F”, completa Monteiro. Durante o Salão de Milão 2013, quando as novas CB 650F e CBR 650R foram lançadas, também já se falava nos bastidores sobre o possível retorno da nomenclatura de sucesso.

No entanto, apesar de vender muito bem no Brasil, país que liderou a comercialização de Hornet nos últimos anos, na Europa a moto enfrentava a concorrência de modelos em duas pontas. Uma de concepções técnicas mais simples e valor mais barato, como a Yamaha XJ6, e do lado de cima, como a antiga Kawasaki Z750 e sua evolução, a Z800, que oferecem motores maiores.

“O projeto da Hornet também já não atenderia as novas leis de emissões da Europa e do Brasil”, explica Alfredo Guedes Jr., engenheiro e supervisor de relações públicas da Honda. “Não há nenhuma peça em comum com as antigas motos”, complementa Guedes.

Mais barata e menos potente
Com valores de R$ 3 mil a menos para as versões de entrada e R$ 4 mil para as com ABS, o preço da linha ficou bem mais competitivo, quando comparado às antecessoras. O acréscimo na cilindrada também deve saltar aos olhos, já que a motorização de 4 cilindros passou de 599,3 cc para 649 cc.

No entanto, a verdade é que os modelos se tornaram mais simples. Na dianteira, perdeu as bengalas de suspensão do tipo invertida, mais complexas e com mais esportividade, utilizando no lugar amortecedores simples; o chassi, totalmente novo, deixou de utilizar alumínio (material mais leve) e é feito de aço; a potência final também diminuiu.

“Nosso objetivo foi priorizar o torque, com melhor uso em baixos e médio giros. No Hornet, a potência máxima chegava somente aos 12.000 rpm, enquanto nas motos novas 80% da força já esta presente em 8.000 rpm”, afirma Guedes.

Os números indicam que CB 600F Hornet e CBR 600F chegam a 102 cavalos a 12.000 rpm e o torque máximo de 6,53 kgfm a 10.500 rpm. Enquanto isso, a nova linha alcança 87 cavalos a 11.000 rpm e 6,4 kgfm a 8.000 rpm. Traduzindo os números, a Honda focou muito mais em conforto e menor consumo, deixando a esportividade de lado. O câmbio continua de 6 marchas.

De acordo com a marca, estas novas características irão facilitar o deslocamento em tráfego intenso e baixas velocidades, além de velocidade de cruzeiro em estradas. Como são 100% novas, as motos também possuem massa e dimensões diversas das antigas.

Na CB 650F, o peso seco é de 192 kg (standard) e 194 kg (ABS). Para a CBR 650F, são 195 kg (standard) e 197 kg (ABS). O que resultou em 3 kg a mais em média, em relação aos antigos modelos.
Na dianteira, as motos possuem dois discos de freios, com 320 mm cada, e, na traseira, um disco de 240 mm.

Seguro mais barato
Nos últimos tempos, um grande problema da Hornet era o fato de ser visada por criminosos. “Apesar do extremo sucesso, a Hornet enfrentava problemas com roubos e seguro alto”, explica Marcos Monteiro.
Além do fato de ser um modelo totalmente novo já indique seguro mais baixo, a Honda promete lançar um plano especial de seguros para os proprietários das moto, com preços mais acessíveis.

Produzidas em Manaus, as motos devem vender, juntas, cerca de 6 mil unidades em 1 ano, afirma a fabricante, com mix de vendas de 80% da CB 650F. A CB 650F estará disponível nas cores preta (STD e ABS) e tricolor – branca, azul e vermelha – (ABS), inspirada no Team HRC.
Já a CBR 650F será oferecida na cor vermelha (STD e ABS) e branca (ABS). Os modelos têm garantia de um ano, sem limite de quilometragem.

Fonte: Rafael Miotto / G1, em Jaguariúna (SP)
Foto: Victor Moriyama / G1

Comments are closed.