O que o Argo pode fazer pela Fiat
23 de junho de 2017 – 14:52 | Comentários desativados

Criado para substituir o Punto, o Bravo e algumas versões do Palio, o hatch produzido em Betim faz parte de uma estratégia que não mira só o volume de vendas, mas principalmente a redução de …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Mercado

Saiba como minimizar a depreciação do seu carro na hora da venda

Submitted by on 21 de março de 2016 – 15:43No Comment

download

Mesmo quem nunca trabalhou no comércio, possivelmente, já precisou negociar algo. Quando o objeto de venda é um carro, então, fazer um bom negócio é uma arte. A não ser que você seja um revendedor, é quase inevitável perder algum dinheiro em relação ao que foi pago pelo carro no passado. Portanto, o ideal é minimizar esse déficit.

O desafio começa quando você se depara com inúmeros carros iguais ao seu. Como ganhar destaque? Aqui vão algumas dicas para valorizar sua caranga. Mas, atenção: se você espera ler dicas para omitir problemas ou fazer coisas erradas, não prossiga. Lembre-se que um bom negócio tem que ser bom para os dois lados.

Tudo começa pelo óbvio, que é manter a manutenção do carro em dia. Não só porque vai te ajudar no momento da venda, mas também por questões de segurança. Trocas de óleo e filtros, revisão de freios, pneus, suspensão, embreagem, velas, correias e mais uma lista interminável que deve ser seguida de acordo com os intervalos de substituição que estão no manual do proprietário.

Guarde os comprovantes dos serviços e dos carimbos no manual – quando a revisão for feita em concessionária. Sem eles, será difícil convencer alguém sobre o que foi feito.

É mais barato manter o carro em dia do que fazer tudo de uma vez para passá-lo adiante. O investimento em uma suspensão nova, por exemplo, dificilmente será recuperado. Diferentemente de um novo jogo de pneus, que chama a atenção e valoriza o carro a ponto de recuperar o valor investido. Pessoalmente, quando avalio um carro, valorizo muito os de donos atentos à manutenção.

Depois dos cuidados mecânicos, tudo que os olhos conseguem ver deve estar o mais apresentável possível. Eu (novamente) aprecio carros sem retoques de pintura para que não haja diferença de cor. Pequenas raladinhas nos para-choques são toleráveis, e só vale a pena repará-las se a peça já não estiver com a pintura original. Se a pintura for original, deixe a raladinha lá e valorize o fato de o carro nunca ter sido pintado — um indicador de que não foi batido.

Já coisas mais pesadas, como amassados ou danos causados por granizo, devem ser arrumadas para não espantar compradores. No dia em que for mostrar o carro para um interessado, passe num lava-rápido antes ou, no mínimo, dê uma ducha de posto. Mostrar o carro sujo demostra desrespeito pelo interessado. Você compraria uma roupa suja?

Para muitos, o interior do carro é mais importante que o exterior, pois é lá que as pessoas estão. Se você é fumante, tem “obrigação” de fazer uma higienização interna para minimizar o cheiro do cigarro.

Todos os equipamentos devem estar funcionando perfeitamente — principalmente o ar-condicionado. Peças de acabamento quebradas são problemas fáceis de resolver. Vale investir em substitutas, a fim de apresentar um interior íntegro.

Tomados esses cuidados, o próximo passo é dos mais importantes: anúncio. Quando eu procuro um carro, filtro as melhores opções pelos anúncios que pesquiso.

É essencial que esse anúncio tenha fotos de qualidade no modo horizontal (paisagem) e mostrem todos os ângulos da parte externa do carro, painel e bancos, de preferência num local aberto e com iluminação natural. Se não quer mostrar a placa, use um editor de imagens para ocultá-la, mas deixe ao menos as letras e o último número à mostra. Nada de fotos cortadas, que mostrem mais o fundo do que o carro!

Descreva bem seu veículo e valorize os opcionais e diferenciais dele. Informe a situação da documentação do carro e o nome da seguradora, caso esteja coberto por alguma.

Não crie revisões que não foram feitas, nem coloque uma quilometragem bem abaixo da real para chamar a atenção. Já perdi muito tempo avaliando carros mal anunciados!

Estude o preço de tabela do seu carro no site da fipe – lembrando que a referência de ano é sempre a do modelo, e não a de fabricação – e também o preço de similares anunciados. Peça um valor dentro da realidade desse mercado e esteja aberto a ofertas.

O que não faltam são classificados de todos os tipos na internet: gratuitos, pagos, regionais, especializados, entre outros. Já vendi muitos carros com anúncio gratuito. Portanto, vale começar por eles.

Se achar que os interessados não estão aparecendo, avalie se não há algo errado – como preço fora do mercado – e só depois pense em investir nos anúncios pagos, que passam mais credibilidade e visibilidade.

Por último, se a ideia é vender o carro para revendedores, recomendo que não se preocupe com os cuidados acima. Acontece que eles vão desvalorizar o carro de qualquer jeito, mesmo que o veículo esteja impecável.

Os avaliadores são treinados para ver o que tem por baixo da sujeira e sabem que o gasto para dar um banho de loja será pequeno perto do lucro que o carro vai trazer para a empresa. De qualquer forma, os revendedores têm papel importante principalmente quando há urgência na venda do carro.

FONTE: Uol.com/ Carsale
TEXTO: Felipe Carvalho

Comments are closed.