Placas padrão Mercosul são suspensas temporariamente pela Justiça
22 de outubro de 2018 – 16:23 | Comentários desativados em Placas padrão Mercosul são suspensas temporariamente pela Justiça

Decisão partiu da desembargadora federal Daniele Maranhão Costa, do Tribunal Regional Federal da 1º Região, em caráter liminar
SÃO PAULO – A adoção das placas do Mercosul no Brasil foi suspensa na quinta-feira (11) pela desembargadora …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Mercado

RAM 1500 DIESEL CHEGA EM 2017 ABAIXO DE R$ 200.000

Submitted by on 25 de outubro de 2016 – 8:48No Comment

rm014_054fn

A picape com motor V6 e 243 cv chega para esquentar o segmento das versões top de linha

O Grupo FCA, por meio da Ram, está de olho no segmento das picapes top de linha por aqui. Para entrar na briga com Ranger, Amarok, S10 e principalmente Hilux, a Ram 1500 começa a arrumar as malas para vir aoBrasil fazer companhia à Ram 2500, mais cara.

Como tínhamos a missão de ir até a sede da FCA, nos Estados Unidos, para conhecer a Pacifica (veja na pág. 76), aproveitamos para tomar contato também com a picape que deve desembarcar por aqui até o segundo semestre de 2017. Lá, avaliamos a 1500 com o novo motor V6 a diesel, o mais cotado para equipar a nossa Ram. O motor, aliás, tem gerado polêmica na FCA. “A matriz insiste no envio do movido a gasolina, similar ao da minivan Pacifica. Mas nada está definido”, afirma uma fonte ligada à filial brasileira. Então, vamos às impressões…

É bom deixar claro que, apesar das duas Ram utilizarem carrocerias semelhantes, há diferenças significativas entre a 2500 e a 1500. Para começo de conversa, o motor seis cilindros 6.7 turbodiesel Cummins com 330 cv e colossais 104 mkgf de torque da 2500 é substituído pelo V6 3.0 fornecido pela VM Motori, empresa italiana que pertence ao Grupo FCA desde 2011. Ele é bastante semelhante ao motor turbodiesel que equipa o Grand Cherokee no Brasil, com 243 cv e 58 mkgf de torque máximo.

Com 5,81 m de comprimento ante 6,03 m, a Ram 1500 é 22 cm menor. Ela usa suspensão independente duplo A no eixo dianteiro e five-link com eixo de torção no traseiro, enquanto a 2500 tem eixo rígido na frente e atrás. As suspensões, aliás, são a principal explicação para a enorme diferença de capacidade de carga: 1.050 kg na 2500 e 603 kg na 1500. No peso total, o degrau também é elevado: respectivamente, 3.410 kg e 2.549 kg. Para efeito de comparação, uma Toyota Hilux SRX, que custa R$ 189.970, tem 2.090 kg e 45,9 mkgf de torque, com uma relação peso/torque de 45,53 kg/mkgf. Na Ram 1500, a mesma relação indica 43,94 kg/mkgf. Mas a capacidade de carga da Hilux é maior, 1.000 kg. Isso traz outra vantagem à Ram: seu motorista pode usar uma habilitação comum e não a tipo C, exigida pela 2500.

Tudo isso justifica a proposta de fazer frente às picapes médias. O fato de ter DNA americano (ainda que seja fabricada em Toluca, no México) joga a seu favor no conforto. Se as picapes médias cobram o preço da robustez e da capacidade de carga com uma rodagem quase sempre saltitante, a Ram 1500 coloca o bem-estar dos ocupantes em primeiro lugar.

Motorista e passageiro dianteiro da 1500 sentam em bancos tão largos quanto poltronas e ainda sobra espaço para um console central com capacidade quase tão grande quanto o porta-malas de um Fiat Mobi – chega a exigir certa dose de contorcionismo do motorista para acessar o porta-luvas. Atrás, há espaço suficiente para três adultos se acomodarem sem esbarrões: da cabeça no teto, das pernas nos bancos dianteiros e até de ombros com o vizinho. Difusores de ar-condicionado e tomada 12V independente servem os convidados.

Barreira do som

Para o motorista, a percepção de conforto chega a ser exagerada. Não se escuta ou sente o motor trabalhando até que você pise mais no acelerador. Com oito marchas, o câmbio automático reduz rapidamente e eleva os giros do motor ao máximo. Ainda assim, o fôlego diminui conforme ganha velocidade.

O que parece é que esta picape foi feita para se dirigir em longas retas em velocidade constante, com os diversos porta-copos devidamente ocupados, bem ao estilo americano. A direção é leve e de respostas lentas, combinando com a suspensão, que filtra bem qualquer irregularidade do asfalto, mas anestesia as reações da carroceria. A única coisa rápida é a resposta do controle de estabilidade: basta entrar em uma curva mais veloz para que o ESP entre em ação antes mesmo dos pneus se dobrarem.

Em termos de catálogo, a Ram 1500 Laramie é a versão mais cotada para virao Brasil. “Ela é a que pode permitir uma configuração cujo preço fique abaixo dos R$ 200.000”, diz a nossa fonte brasileira. Mesmo se tratando de uma versão intermediária, o conteúdo da Laramie não foge muito ao que se vê na 2500 Limited (top de linha nos EUA). Tem central Uconnect com tela de 8,4 polegadas com GPS e dez alto-falantes e um subwoofer, câmera e sensores de ré, chave presencial e bancos de couro premium, com ajustes elétricos, ventilados e aquecidos – como o volante.

Pelo preço e por todo o conforto, a 1500 poderia deixar o comprador de picapes de luxo em dúvida. Mas só aqueles cuja garagem comporte uma locomotiva de 5,82 m de comprimento por 2,01 m de largura.

Veredicto

Caso o plano da Ram se concretize e a 1500 chegue com motor diesel e preço competitivo, a concorrência poderá ver nela, uma ameaça real. Descomunal, o status é seu forte. Pesa contra o porte da rede, com só 50 concessionárias.

TEXTO: Péricles Malheiros
FONTE: Quatro Rodas

Comments are closed.