Confira as novidades apresentadas no Salão Duas Rodas
20 de novembro de 2017 – 13:49 | Comentários desativados

As principais empresas do setor de motos do Brasil apresentaram suas novidades para 2018 no Salão Duas Rodas, em São Paulo. Mesmo em um mercado que ainda sente os efeitos da crise econômica, foi possível …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Indústria, Mercado, Novidades

PORSCHE 718 BOXSTER: QUANDO MENOS É DEMAIS

Submitted by on 17 de junho de 2016 – 7:51No Comment

857_29r5148_5184x3456

Faz muito tempo que carro esportivo, mesmo os mais tradicionais, deixaram de lado a estratégia de se despir de equipamentos em nome da alta performance. Nos últimos anos, outra onda invadiu a praia dos esportivos: a da eficiência. Ao completar 20 anos de idade, o belo Porsche Boxster é a síntese do esportivo do novo milênio: tem alto desempenho, baixo consumo e muito luxo, conforto e segurança.
O 20º aniversário também deu ao Boxster um novo nome: agora ele se chama 718 Boxster. A mudança é uma homenagem ao 718, modelo da Porsche baseado no lendário 550, que nos anos 50 e 60 se notabilizou pelas vitórias em corridas importantes, como Targa Florio e Le Mans. O velho 718 era um conversível de dois lugares, equipado com motor traseiro central de quatro cilindros opostos. Exatamente como o novo Boxster – ou melhor, 718 Boxster.
Assim como o modelo atual, a novidade será vendida em duas versões: normal e S. Soa estranho ao brasileiro, mas é isto mesmo: o modelo de entrada não tem sobrenome e é chamado de normal pela própria Porsche. É exatamente nela que concentramos maior atenção durante o evento de apresentação do 718 Boxster à imprensa, em Portugal.
Não se engane. Apesar de mais manso que o S (tem um 2.0 de 300 cv ante um 2.5 de 350 cv), o 718 de entrada é garantia de muita diversão ao volante. Para começar, um Porsche é um Porsche até na Europa: mesmo em um rico ambiente à beira-mar, onde circulam Ferrari, Mercedes e até Lamborghini, a passagem do 718 é acompanhada atentamente pelo público.
O motor quatro cilindros vai colado nas costas do piloto, bem à frente do eixo traseiro – sobre este, vai o sistema de transmissão. Ou seja, enquanto a disposição dos cilindros opostos baixa o centro de gravidade, a instalação do motor entre os eixos proporciona uma excelente distribuição de peso. Se a dirigibilidade equilibrada (mas com certa tendência a sair de traseira) já era elogiada no Boxster, no 718 ela está ainda melhor, apesar de mais neutra.

Vá de PDK
Segundo a Porsche, o 718 normal acelera de 0 a 100 km/h em 4,9 e 4,7 s, respectivamente com câm­bio manual (seis marchas) e automatizado PDK (sete marchas). Se aceita um conselho de amigo, quando encomendar seu 718, inclua o PDK: aquela história de que caixas manuais permitem extrair mais performance é outro mito que a Porsche ajudou a derrubar. Quer entender melhor o título desta matéria? Se para ir de 0 a 100 km/h o 718 2.0 quatro cilindros pede 4,7 s, o antigo Boxster 2.7 seis cilindros cumpre a prova em 5,5 s. Quer mais? O torque máximo que antes era de 28,6 mkgf a 4.500 rpm saltou para 38,7 a partir de 1.950, um brutal aumento de 35,3%.
Como não poderia deixar de ser, a engenharia da Porsche cuidou de todos os detalhes ao instalar o novo motor no 718. As enormes aberturas nas laterais, entre a porta e a roda traseira, por exemplo, cumprem dupla função: captam ar do ambiente para o turbo comprimir e arrefecem os radiadores (de ar e água) responsáveis por reduzir a temperatura do ar já comprimido. Menos aquecido, maior é a quantidade de moléculas de oxigênio que entram para a câmara de combustão, onde a gasolina chega via injeção direta de alta pressão. De acordo com a marca alemã, dependendo da versão, o 718 é 13% mais econômico que o antigo Boxster.
No 718 S, o turbo tem um atrativo a mais: um sistema capaz de variar a geometria das pás do rotor da caixa quente, conhecido como TGV (turbo de geometria variável). A função do TGV é deixar mais linear a entrega de sobrealimentação ao ordenar melhor o fluxo dos gases de escape. O TGV é aplicado também no 911 Turbo, versão top de linha do irmão do 718.
A sonoridade é o único ponto que a nova geração involuiu em relação à antiga. No console, um botão permite o engrossamento do som emitido pela dupla ponteira de escapamento posicionada no centro do para-choque. Mas não tem jeito: os quatro cilindros ainda não falam como seis.
O sistema start-stop é outro claro sinal de que o 718 faz parte da nova nobre safra de esportivos conscientes – e competentes.
Equipado com quase todos os opcionais oferecidos pela Porsche, o 718 avaliado mostra um pacote bem parecido com o que deverá estar disponível no Brasil – por aqui, as vendas devem começar no início do segundo semestre.

Beleza interior
O seletor de modo de condução por um botão giratório no volante, as borboletas de troca de marchas e o aerofólio traseiro com acionamento eletro-hidráulico (automático ou por uma tecla no console) deixam a pilotagem ainda mais interessante e versátil. Você escolhe o tempero ideal para uma direção calma e confortável na cidade ou uma tocada focada na esportividade, como num fim de semana em autódromo. Aliás, no mundo todo a Porsche organiza eventos em pistas fechadas para ensinar seus clientesa usufruir melhor do carro que têm na garagem.
No visual, nem o fato de a Porsche ter promovido uma mudança em quase toda a carroceria do 718 (do antigo, restaram só para-brisa, capô e tampa do porta-malas) justifica o rótulo de nova geração. A plataforma, por exemplo, é a mesma do Boxster anterior. Até o histórico do esportivo (lançado em 1996 e com uma troca de geração a cada exatos oito anos) mostra que o 718 só deverá chegar inteiramente novo em 2020. Mas todas essas alterações no estilo são discretas. As mais percebidas estão nas tomadas de ar frontais menores e menos chamativas e, na traseira, a assinatura cromada da marca, sobre fundo preto.
Se você achou a mudança visual muito sutil para comemorar 20 anos, relaxe: a Porsche deixou o melhor para a troca de motor. Aqui, o presente é garantido.

VEREDICTO
Dificilmente você encontrará no mercado um carro com 300 cv, com tanto prestígio e competência para acelerar de 0 a 100 km/h (bem) abaixo da casa dos 5 segundos.

Fonte: Quatro Rodas Brasil
Texto: Péricles Malheiros

Comments are closed.