Yamaha lança moto de 3 rodas, a Niken, e mostra protótipo de Ténére 700
13 de novembro de 2017 – 10:07 | Comentários desativados

Yamaha lançou na segunda-feira (6), na Itália, sua primeira moto de alta cilindrada de 3 rodas. O modelo Niken já havia aparecido no Salão de Tóquio, mas somente agora a empresa revelou todos os detalhes …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » F1

Mercedes prega inocência e ataca Ferrari: “Se violamos regras, eles também”

Submitted by on 20 de junho de 2013 – 11:16No Comment

06

O advogado da Mercedes, Paul Harris, apontou os dedos para a Ferrari no julgamento do teste secreto com a Pirelli, nesta quinta-feira, no Tribunal Internacional da FIA. Segundo ele, se a equipe germânica violou alguma regra durante o treino de três dias no circuito de Barcelona, entre 15 e 17 de maio, então a rival italiana também o fez, já que realizou a mesma bateria poucas semanas antes.

A diferença, sempre explicitada pela federação e pelo time de Maranello, é que a Ferrari disponibilizou um carro de 2011 e uma equipe da divisão de exibições, que nada tem a ver com o grupo que trabalha na F1, para sua atividade. Entretanto, Harris defendeu que o uso de um modelo de duas temporadas atrás não implica necessariamente que o bólido esteja “substancialmente distinto” do veículo atual, algo exigido pelo artigo 22.1 do regulamento esportivo.

“Nossa posição é que, se estamos errados em nossa interpretação do que o artigo 22 significa e, portanto, fizemos um teste privado, então a Ferrari violou as regras tanto quanto nós. Eles colocaram seu carro na pista e, só porque era um modelo de 2011, não significa que não batia substancialmente com as regras de 2012 ou 2013. A diferença entre os carros de 2011 e 2013 é de apenas meio [segundo], o que mostra que as mudanças entre esses dois anos, em termos de desempenho, são minúsculas”, acrescentou.

Harris também acusou a concorrente de ter realizado um treino secreto adicional, pago pela própria esquadra, na mesma semana em que testou com a Pirelli, em Barcelona. Além disso, segundo ele, o atual engenheiro de pneus da escuderia, Hirohide Hamashima, teria tido acesso aos dados coletados pela fabricante dias depois. E não acaba por aí: o advogado acusou os italianos de terem estado em uma sessão secreta com a fabricante de pneus no ano passado, novamente antes do GP da Espanha. Felipe Massa foi o piloto presente na prática e, de acordo com Harris, andou mais do que o limite de mil quilômetros exigido por contrato. “Notamos que a mesma falta de transparência que está sendo usada contra nós é idêntica àquela existente nos dois testes da Ferrari”, seguiu.

“Não violamos as regras”

Além dos ataques contra a Ferrari, o advogado da Mercedes também insistiu que sua cliente não violou nenhuma regra durante seu teste, já que todo o procedimento teria sido conduzido integralmente pela fornecedora. “Há duas palavras cruciais no texto do artigo 22: ‘Conduzido por’. O teste da Pirelli não foi conduzido pela Mercedes. É irrefutável que foi um teste conduzido pela Pirelli. Essa evidência é confirmada por eles, portanto todas as pessoas que estiveram presentes no dia vão dar, unicamamente, a mesma evidência sobre o que aconteceu e quem estava responsável por aquilo. É inegável que o teste foi conduzido pela Pirelli”, enfatizou.

Harris também mencionou uma troca de e-mails entre o chefe da equipe, Ross Brawn, o diretor de provas da FIA, Charlie Whiting, e o advogado da entidade, Sebastien Bernard, no qual os dois representantes da federação teriam autorizado a sessão. “Em minha visão, qualquer teste que não seja conduzido de fato pelos competidores [pode ser autorizado]. É possível argumentar que este foi feito pela Pirelli. Nós poderíamos assumir essa posição?”, teria questionado Whiting ao advogado. “Sim, podemos tomar essa posição. [O teste] não está sendo conduzido pelo competidor”, teria respondido Bernard.

Por fim, o advogado da montadora pediu desculpas pelos pilotos do time, Lewis Hamilton e Nico Rosberg, terem usado capacetes pretos durante os treinamentos, algo que corrobora a tese de que não queria que o teste fosse descoberto. “Nós nos arrependemos dessa decisão agora… E pedimos desculpas. Tivemos nossas razões – foi uma questão de falta de guarda-costas e seguranças pessoais [para proteger os pilotos, caso fossem descobertos]. Nós reconhecemos que essa parte soou suspeita e isso é lamentável”, reconheceu.

Fonte: Leonardo Felix / Tazio
Foto: Raymond Ho/AP Photo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário abaixo, ou Assine o RSS desta página .

You can use these tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

This is a Gravatar-enabled weblog. To get your own globally-recognized-avatar, please register at Gravatar.