Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 Рsó ele quer ter grade de radiador
13 de setembro de 2019 Р14:45 | Comentários desativados em Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 Рsó ele quer ter grade de radiador

Estande da BMW no Sal√£o de Frankfurt d√° spoilers sobre as novas gera√ß√Ķes do S√©rie 4, al√©m de novidades para o nicho dos SUV-cup√™ e um novo carro el√©trico.
Uma das atra√ß√Ķes da BMW¬† no Sal√£o …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Curiosidades

Grandes Brasileiros: Karmann Ghia

Submitted by on 30 de novembro de 2016 – 7:56No Comment

karmann-ghia-2

 

Montado de modo artesanal sobre o chassi Volkswagen, ele foi o terceiro modelo da f√°brica feito no Brasil, depois do Fusca e da Kombi

No in√≠cio dos anos 60, chassis de Fusca sa√≠am rodando da f√°brica da Volkswagen, na Via Anchieta. Alimentados por latas de gasolina, que faziam as vezes de tanque, seguiam em dire√ß√£o √† sede da Karmann Ghia, distante alguns quil√īmetros.

L√° era assentada a carroceria, num processo totalmente manual, em que cada KG ganhava de 10 a 14 quilos de estanho durante a montagem. Gra√ßas a esse peso extra, ele n√£o tinha ‚Äúemendas‚ÄĚ aparentes. Depois de pronto, cabia √† rede de concession√°rios da VW a comercializa√ß√£o e a assist√™ncia t√©cnica. Aqui ele era uma excitante novidade. Mas l√° fora j√° rodava havia tempo.

No dia 14 de julho de 1955 o Karmann Ghia foi apresentado √† imprensa. Nasceu da uni√£o do fabricante de carrocerias alem√£o Wilhelm Karmann com o italiano Luigi Segre ‚Äď designer do est√ļdio Ghia ‚Äď, que recebeu uma participa√ß√£o em cada unidade vendida. A id√©ia era fabricar um carro com linhas esportivas para bolsos menos abonados. Logo no in√≠cio da produ√ß√£o, 50% dos carros eram exportados para outros pa√≠ses europeus, al√©m de Estados Unidos e Canad√°.

O aspecto esportivo era real√ßado por suas propor√ß√Ķes e pelo perfil aerodin√Ęmico. Baixinho mas esbelto, ele tinha 1,33 metro de altura e 4,14 metros de comprimento, com peso de 820 quilos.

Esportivo de fato ele nunca pretendeu ser. Faltava-lhe aquilo que distingue os bravos, o cora√ß√£o. N√£o seria com o honesto, por√©m raqu√≠tico 1200, de 36 cavalos, refrigerado a ar que o KG ia conseguir impressionar algu√©m. No cron√īmetro, ele n√£o ia al√©m dos 118 km/h de m√°xima. E a acelera√ß√£o era de fazer adormecer crian√ßa levada: mais de 30 segundos para ir de 0 a 100 km/h.

Foi assim até 1967, quando passou a dividir com a Kombi o motor 1500 e ganhou 16 cavalos. Longe de virar um foguete, pelo menos já não dava vexame: chegava aos 135 km/h e baixou mais de 4 segundos no 0 a 100 km/h. A linha cresceu com a chegada do conversível, no começo de 1968, do qual só foram produzidos 177 exemplares.

Com uma cabine projetada para dois, o Karmann Ghia foi homologado para levar cinco passageiros (!). Na realidade, o banco de tr√°s podia, quando muito, acomodar duas crian√ßas, na √©poca em que a ignor√Ęncia a respeito de seguran√ßa dispensava o uso de cadeirinhas. Mas o encosto esconde um artif√≠cio que deve ter ajudado casais na hora de viajar com bagagem: √© poss√≠vel rebat√™-lo e acomodar volumes entre o banco e o compartimento do motor.

O KG amarelo-margarida (√© o nome oficial da cor) com teto preto marca no hod√īmetro 31.000 quil√īmetros. O estepe ainda tem o selo original na banda de rodagem. Ao dar a partida, o som desperta o sentimento de algo familiar. √Č a batida saud√°vel de um 1200, em estado de novo, uma suavidade que os 1300 e 1500 n√£o t√™m ‚Äď esses produzem um som mais √°spero. S√≥ os 1600 t√™m uma sonoridade igualmente harm√īnica.

No interior, os bancos s√£o revestidos com tecido entremeado de fios met√°licos. O painel tem os instrumentos b√°sicos. Como diferenciais, a parte superior, que era revestida de courvin, e um rel√≥gio, o √ļnico ‚Äúluxo‚ÄĚ. Conta-giros? Ora!

Apesar da pouca pot√™ncia, na cidade o motor 1200 d√° conta do recado, gra√ßas a sua elasticidade. Tamb√©m n√£o pede trocas freq√ľentes de marcha, como seria de esperar. Relativamente silenciosa, a suspens√£o por barras de tor√ß√£o n√£o apresenta ru√≠dos e tem uma resist√™ncia que dispensa coment√°rios.

O bom di√Ęmetro de giro e o grande volante facilitam as manobras. O c√Ęmbio mostra a precis√£o dos antigos VW e em poucos minutos ganha-se intimidade com o carrinho, mesmo com a boa diferen√ßa de altura em rela√ß√£o aos outros carros.

At√© 1972, √ļltimo ano de sua fabrica√ß√£o, foram produzidos 23.400 carros na vers√£o original cup√™. Em 1970, ganhou o motor 1600 e um irm√£o, o modelo TC, equipado com dois carburadores. Suas linhas lembram ‚Äď ainda que vagamente ‚Äď o Porsche 911.

TEXTO: Sérgio Berezovsky
FONTE: Quatro Rodas

Comments are closed.