Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 – só ele quer ter grade de radiador
13 de setembro de 2019 – 14:45 | Comentários desativados em Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 – só ele quer ter grade de radiador

Estande da BMW no Salão de Frankfurt dá spoilers sobre as novas gerações do Série 4, além de novidades para o nicho dos SUV-cupê e um novo carro elétrico.
Uma das atrações da BMW  no Salão …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Novidades

FERRARI GTC4LUSSO: UM CUPÊ COM CARA DE PERUA QUE VAI A 335 KM/H

Submitted by on 21 de outubro de 2016 – 13:34No Comment

160505-car_ferrari-gtc4lusso

Conheça a Ferrari que leva quatro mais bagagem e acelera de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos

Os fabricantes de esportivos encontraram nos SUVs uma maneira de ampliar seu público – que sempre foi muito restrito – e aumentar as vendas. Foi assim com a Porsche (Cayenne), a Maserati (Levante), a Bentley (Bentayga) e, dentro de dois anos, a Lamborghini (Urus). A Ferrari já avisou que nunca entrará nessa onda, mas ela também tem seu ponto fora da curva: a FF, lançada há cinco anos. Com tração 4×4, espaço para quatro pes­soas, bom porta-malas e muito conforto, o modelo acaba de ganhar uma cara reestilizada e um novo nome: GTC4Lusso.

Apesar de ser quase o mesmo modelo, os designers italianos explicam que a única peça no exterior que foi mantida da FF foi o para-brisas e que todo o resto foi substituído ou redesenhado. Ainda que o jeitão de perua da carroceria tenha sido mantido.

Por dentro, a reformulação trouxe o novo sistema de som premium com direito a um impressionante monitor central e outro horizontal, fininho, à frente do passageiro, para ele participar da pilotagem – a tela mostra os dados do veículo e os modos de pilotagem. O acesso aos assentos traseiros não requer contorcionismo e há espaço generoso para pernas, ombros e cabeça. Se rebatermos os dois bancos, o porta-malas cresce dos já fartos 450 litros para impressionantes 800.

No lugar do motorista, percebe-se logo que não estamos num cockpit de um F-1, mas no interior de um puro GT de luxo, onde o conforto conta muito. Um toque no botão Start desperta o V12 (que recebeu 20 cv, totalizando 690 cv), mas de um modo mais tranquilo do que na FF. Sumiu o rugido explosivo que indicava que a fera tinha acabado de despertar – alguns donos achavam isso um tanto espalhafatoso. Agora, ele só grita quando acelerado. Mas quanto ele canta, é música para qualquer amante de carro. “O som de um motor aspirado a 8.250 rpm – rotação máxima dessa unidade – é algo incomparável”, diz Vittorio Dini, chefe de motores da Ferrari. “Quando tivermos que fazer algo no futuro para reduzir as emissões, prefiro colocar um sistema elétrico num conjunto híbrido do que adotar um turbo convencional.”

Adaptado às curvas

E esse V12 não é só emoção para os ouvidos. Ao lado do câmbio automatizado de dupla embreagem com sete marchas, ele é o mestre que consegue levar esse superesportivo a 335 km/h, não sem antes passar por uma aceleração de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos (ele ficou 0,3 segundo mais rápido do que na FF).

A grande novidade técnica (e que causa impacto na pilotagem) é o novo sistema de rodas traseiras direcionais, que o Porsche 911 Turbo e o Série 7 da BMW também usam. Ele torna o carro mais ágil e preciso em curva numa condução esportiva, além de deixá-lo mais prático na cidade – seu diâmetro de giro reduziu em 1 metro.

Mas é em estradas sinuosas que esse recurso fala alto. Combinada à tração integral e ao sistema de vetorização de torque (que atua sobre a roda externa às curvas para melhorar a capacidade de contorná-las), a tração 4×4 ajuda a colar o cupê no asfalto, permitindo que ele supere qualquer curva com uma rapidez e agi­­lidade quase inverossímil. Com as proporções de um Porsche Panamera, a GTC4Lusso tem a graciosidade de movimentos de um Porsche Boxster, mas com o dobro da potência. Tudo se passa com a maior facilidade e a mais desconcertante rapidez, mesmo sob o comando de um motorista comum.

O GTC4 tem uma explosão e agilidade que fazem qualquer um esquecer completamente que está ao volante de um monstro de quase 2 toneladas e 5 metros de comprimento.

Não é a primeira vez que dirigimos um superesportivo com um desempenho tão arrebatador, mas não é comum depois de seis horas e de 300 km ao volante, em todo o tipo de estrada, terminar a viagem e sair do carro sem grandes sinais de cansaço, de tão acolhedores que são os bancos, espaçosa é a cabine e relativamente confortável é a suspensão.

Talvez agora seja mais fácil entender a razão da Ferrari para mudar o nome do carro. Afinal, esse esportivo se mostrou um legítimo Gran Turismo Coupe, com espaço para quatro pessoas e cheio de luxo – ou lusso, como diriam os italianos.

TEXTO: Joaquim Oliveira e Thomas Geiger
FONTE: Quatro Rodas

Comments are closed.