Cotada para o Brasil, Opel prepara 8 novidades até 2020
16 de outubro de 2018 – 11:19 | Comentários desativados

Alemã prepara os sucessores do Corsa e do Mokka X e também na eletrificação da gama
Empresa que atua de uma forma muito transparente na hora de comunicar suas estratégias, algo raramente visto no setor, a …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » F1

F1: a conta que não fecha

Submitted by on 28 de outubro de 2014 – 10:26No Comment

02

De acordo com dados da imprensa internacional*, a Fórmula 1 gera receitas anuais em torno de 1,5 bilhões de euros. Ou seja, em reais, nada menos do que 4,8 bilhões. Uma quantia significativa mas que mostra-se ao mesmo tempo insuficiente diante dos altos custos operacionais e da divisão dos lucros.

A empresa CVC Capital Partners controla a categoria desde meados da última década e, diante disso, fica com 52,5% dos ganhos. Então, 787 milhões de euros ficam com os sócios majoritários. Diante disso, as onze equipes da categoria dividem algo como € 713 milhões a cada temporada.

A distribuição do dinheiro entre os times segue regras de performance no campeonato de construtores. Mas escuderias como a Ferrari, por exemplo, recebem um bônus por conta de suas conquistas e também porque, reconhecidamente, tem uma importância relevante para os esportes a motor.

A conta – O orçamento de uma equipe de ponta na F1, segundo dados da Infogram, gira em torno dos $ 400 milhões de euros. Ou seja, uma escuderia já gasta o equivalente a metade dos ganhos de toda a categoria em um ano. Uma conta que não fecha e deixa claro que os patrocinadores dos times praticam uma espécie de mecenato.

Em outras palavras, os melhores times vivem de investimentos a fundo perdido (sem contabilizar o impacto na imagem das companhias) de empresas como Red Bull, Santander, Petrobras, Banco do Brasil, Petronas, PDVSA — além de um sem número de outros patrocinadores menores, porém importantes no orçamento.

Equipes médias e pequenas, por sua vez, sofrem para a composição do orçamento anual e ficam à mercê da baixa qualidade em várias áreas. Desde os componentes dos carros até a habilidade dos pilotos.

Confira os orçamentos das equipes em 2014**:

Red Bull – € 410 milhões
Ferrari – € 400 milhões
Mercedes – € 300 milhões
McLaren – € 230 milhões
Lotus – € 160 milhões
Williams – € 150 milhões
Sauber – € 85 milhões
Toro Rosso – € 80 milhões
Force India – € 75 milhões
Caterham – € 70 milhões
Marussia — € 60 milhões

*Dados Mail & Guardian
**Valores extra-oficiais

Fonte: Amigos da Velocidade
Texto: Rogério Elias

Comments are closed.