Salão de Detroit 2019: as novidades que você precisa conhecer
18 de janeiro de 2019 Р12:48 | Comentários desativados em Salão de Detroit 2019: as novidades que você precisa conhecer

Evento re√ļne lan√ßamentos e conceitos que podem vir para o Brasil ou antecipam tend√™ncias do mercado automobil√≠stico.
Acontece, entre os dias 14 e 27 de janeiro, nos Estados Unidos, o Sal√£o de Detroit 2019. Entre conceitos …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Motos

Duro de vender: mercado de duas rodas segue em baixa no Brasil

Submitted by on 15 de julho de 2013 – 10:59No Comment

01

O mercado de duas rodas at√© tenta encontrar motivos para se animar. A realidade, no entanto, n√£o permite. Depois de um relativo otimismo ap√≥s os tr√™s meses iniciais de 2013, o fechamento do primeiro semestre trouxe o setor de volta √† rotina que parece se repetir a cada per√≠odo. De janeiro a junho, o pa√≠s emplacou 748.252 motocicletas, o que representa uma queda de 12,9% das vendas em rela√ß√£o √† mesma √©poca de 2012. E as perdas n√£o se resumem apenas ao varejo. No atacado ‚Äď que contabiliza as entregas das fabricantes √†s concession√°rias ‚Äď, a retra√ß√£o foi de 9,3%. Os ‚Äúvil√Ķes‚ÄĚ apontados ainda s√£o os mesmos do ano passado: restri√ß√Ķes nos financiamentos e nas concess√Ķes de cr√©ditos.

O resultado do semestre derrubou as previs√Ķes da Abraciclo ‚Äď associa√ß√£o que re√ļne os fabricantes de motocicletas ‚Äď, que demonstravam otimismo em rela√ß√£o a 2013. Em mar√ßo, o presidente da associa√ß√£o, Marcos Fermanian, chegou a projetar crescimento de 2,4% para o setor at√© dezembro. ‚ÄúAgora, a previs√£o √© que os volumes totais mantenham-se est√°veis em compara√ß√£o com 2012‚ÄĚ, reavalia Fermanian. Apesar de n√£o prever retra√ß√£o no comparativo entre os dois anos, o progn√≥stico n√£o √© dos mais positivos. Afinal, o executivo afirmou, no in√≠cio de 2013, que no ano passado o setor chegou ao ‚Äúfundo do po√ßo‚ÄĚ.

Longe da turbul√™ncia enfrentada pelos modelos de base, o setor de alta cilindrada segue acelerado. A entrada de novas marcas no mercado nacional nos √ļltimos anos reflete o otimismo em rela√ß√£o ao potencial do segmento. √Č o caso da Triumph, que desembarcou no por aqui em novembro do ano passado. ‚ÄúDe fora, enxergamos o problema do mercado, mas isso em nenhum momento pesou contra a decis√£o de operar no Brasil. N√£o havia risco de perda, j√° que iniciamos do zero‚ÄĚ, afirma Marcelo Silva, gerente geral da marca inglesa no pa√≠s. Para o executivo, a chegada de novas marcas pode impulsionar o mercado premium. ‚ÄúO aumento do n√ļmero de op√ß√Ķes faz o mercado crescer. O consumidor compra mais quando h√° mais para ser vendido‚ÄĚ, pondera Marcelo. O segmento de alta cilindrada foi o √ļnico a encerrar 2012 com n√ļmeros positivos e pode repetir neste ano. No entanto, o progn√≥stico de bons resultados n√£o √© o bastante para impulsionar o setor de duas rodas como um todo, j√° que o nicho premium n√£o tem volumes significativos de vendas.

Um dos fatores que desequilibram negativamente o mercado √© a falta de incentivos para quem compra. Antes, o problema estava apenas na restri√ß√£o de cr√©dito para os consumidores de menor poder aquisitivo. No entanto, o problema agora atinge de maneira mais severa somente as transa√ß√Ķes envolvendo motocicletas ‚Äď o que contrasta com a boa oferta para a compra de outros tipos de bens, como im√≥veis, linha branca e at√© carros. ‚ÄúIsso fez muitos compradores de motos migrarem para os autom√≥veis, que oferecem maior conforto e seguran√ßa, al√©m do status desse consumidor sentir que pode um pouco mais‚ÄĚ, explica Paulo Roberto Garbossa, consultor da ADK Automotive.

Apesar das previs√Ķes da Abraciclo, o ano de 2013 pode n√£o estar totalmente perdido. Mas para as empresas do setor, isso s√≥ ser√° poss√≠vel em caso de coopera√ß√£o do Governo Federal. ‚Äú√Č fundamental que tenhamos alguns incentivos governamentais, como a redu√ß√£o dos custos agregados, como emplacamento, licenciamento e IPVA, por exemplo‚ÄĚ, avisa Mauro Ferraz, gerente nacional de vendas da Dafra. De acordo com o executivo, cabe √†s montadoras a cria√ß√£o de alternativas para reerguer o segmento de duas rodas, como o lan√ßamento de novos produtos em mercados espec√≠ficos. Por√©m, para Ferraz, a retomada das vendas n√£o depende apenas de medidas das fabricantes. ‚ÄúPrecisamos tamb√©m a√ß√Ķes de libera√ß√£o de cr√©dito espec√≠fico para a compra de motos, como ocorre em outros setores‚ÄĚ, explica.

Fonte: Michael Figueredo / Auto Press / MotorDream
Foto: Afonso Carlos/Carta Z Notícias

Comments are closed.