Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 – só ele quer ter grade de radiador
13 de setembro de 2019 – 14:45 | Comentários desativados em Conheça o BMW concept 4, o protótipo que antecipa o série 4 – só ele quer ter grade de radiador

Estande da BMW no Salão de Frankfurt dá spoilers sobre as novas gerações do Série 4, além de novidades para o nicho dos SUV-cupê e um novo carro elétrico.
Uma das atrações da BMW  no Salão …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Curiosidades

Designer da Jaguar cria Mark 2 de R$ 1,3 milhão

Submitted by on 8 de setembro de 2014 – 11:33No Comment

08

Ian Callum sabe o que é estilo. O atual chefe de design da Jaguar tem o mérito de ter conseguido desconectar o fabricante britânico das suas antigas amarras. Antes sobejamente retrôs, os modelos de luxo tornaram-se ousados como os Aston Martin, por onde Callum também passou. Pura iconoclastia britânica. Só que isso não quer dizer que ele não tenha apreço pelos clássicos. Que o diga o Mark 2 personalizado por Callum. O projeto de personalização surgiu pelas mãos da Classic Motors Limited da Inglaterra. Era para ser apenas um carro de uso pessoal, mas depois de vários pedidos, vai se tornar uma série limitada.

O sedã médio lançado em 1959 é até hoje uma referência, um símbolo da nostalgia sessentista e um grande sucesso de mercado, com mais de 80 mil vendidos até 1967. Talvez por isso mesmo não saia da cabeça dos entusiastas da marca, entre eles o designer escocês. Envolvido com o projeto do Jaguar XE, o modelo que resgatará a tradição de médios esportivos abandonada desde o (adivinha?) Mark 2, o projetista deve ter olhado muito para o seu clássico como musa. Sir William Lyons deve ter ficado orgulhoso do resultado.

Contudo, não se trata de uma mera restauração, está mais para o que chamam de restomod, uma restauração misturada com modificação. É uma reimaginação, como os Porsche 911 refeitos pela Singer Design da Califórnia. Após ficar no metal puro, o pessoal da Classic Motors colocou a carroceria como nova. Especialistas na restauração de carros do fabricante, a empresa seguiu as diretrizes do designer. Para começar, alargou as bitolas. Os para-malas dianteiros foram estendidos discretamente, enquanto os traseiros também são peças novas em alumínio. Extratores de ar dianteiros ajudam a refrescar o motor. Isso deu ao visual uma nova atitude, uma imagem que concretiza o que todo sketch automotivo gostaria de ser: longo, largo e baixo. O resultado parece agressivo como um MGA de pista, com direito ao escape duplo central. Ou até mesmo um buldogue ao estilo do Rover P5B.

Junto com as bitolas vieram as rodas Torrino de 17 polegadas, grandes o suficiente para acomodar discos de freio ventilados de 320 mm na frente e 280 mm atrás. As suspensões mais baixas também fizeram bem ao visual e foram igualmente aperfeiçoadas. O original se valia de suspensão traseira por feixes de mola, esquema abandonado em nome de um esquema de braços duplos triangulares (double wishbone) criado pela própria oficina. Há subchassis, amortecedores ajustáveis, molas esportivas e geometria aperfeiçoada para coibir o antimergulho.

Tal como Doutor Who, esse clássico britânico mistura viagens de bate e volta entre passado e futuro. Há luzes de rodagem diurna e um para-choque dianteiro que poderia ter sido furtado de um Bentley. Por dentro, mostradores elegantes ao estilo Smiths contrastam com um DVD retrátil da Clarion. A direção por pinhão e cremalheira tem assistência elétrica, lembrando que a própria Jaguar preferiu dotar o F-Type de um mecanismo hidráulico em nome da santa sensibilidade. Como de costume, o revestimento poderia causar pesadelos em membros do Greenpeace, muito couro escocês envelhecido, carvalho escuro, tapetes Wilton de lã e, para dar o toque contemporâneo, os inevitáveis detalhes em preto piano. Consciente do seu valor de grife, Callum desenhou vários detalhes, dos puxadores de porta e instrumentos ao emblema do porta-malas.

Em contraste, o motor é o imortal 4.2 seis em linha lançado ainda como 3.4 no XK120 de 1948, dotado de dupla carburação SU. A receita aspirada tem o mesmo peso de uma torta de rins: são 260 cv, 40 cv a mais que o 3.8 mais potente de então. O torque de 38,7 kgfm é saudável e chega aos cinco mil giros, administráveis por um câmbio manual de cinco marchas. A Classic Motors não fala em desempenho, porém podemos esperar por um 0 a 100 na casa dos 7 segundos, com velocidade máxima superior a 220 km/h. O preço de uma obra quase única? Entre 350 e 375 mil libras esterlinas, algo em torno de R$ 1,3 milhão.

Fonte: Julio Cabral / Auto Esporte
Foto: Divulgação

Comments are closed.