Carro voador chinês pode ser o primeiro a ser comercializado normalmente
6 de outubro de 2018 – 16:34 | Comentários desativados

A corrida em busca de produzir o primeiro carro voador comercialmente viável pode estar perto de ter um vencedor: é a Terrafugia, uma empresa chinesa que já desenvolve seu veículo com asas chamado Transition há …

Ler post completo »
Curiosidades

F1

Mercado

Motos

Novidades

Home » Mercado

CLÁSSICO DOS ANOS 70, A RODA CRUZ DE MALTA ESTÁ DE VOLTA

Submitted by on 14 de julho de 2016 – 9:48No Comment

cruz-de-malta-4
A oferta de automóveis novos era limitada nos anos 70. Tínhamos à disposição pouco mais de uma dezena de modelos, fabricados por quatro montadoras – hoje são em torno de 350 carros de 60 fabricantes, chegando a 2.000 configurações.
Na época, para se diferenciar nas ruas, a moda era recorrer aos acessórios. Nessa hora, o objeto de desejo era a roda de liga leve – tão cobiçada quanto o próprio veículo. Ela conferia personalização e esportividade a automóveis comuns que se via por aí.
Algumas das rodas daquela época permanecem no imaginário dos apaixonados por carro. Raridade hoje, alguns modelos de aros antigos são disputados a tapa, criando um pequeno mercado informal. De olho nessa demanda, a Scorro – criada em 1955 – decidiu relançar uma das rodas mais míticas da época: a Cruz de Malta.
Inicialmente será oferecida na furação do Chevrolet Opala, mas a empresa estuda opções para Fusca e Alfa Romeo 2300. A Cruz de Malta versão 2016, que ganhou até certificado do Inmetro, será vendida num kit: cada jogo de quatro rodas é numerado e acompanha certificado, ferramentas, chaveiro, camiseta, boné e adesivos. Serão fabricados só 250 conjuntos.
Segundo Hidalgo Dal Coletto, presidente da Scorro, a empresa fez um acordo com a Federação Brasileira de Veículos Antigos e a instalação das rodas não descaracterizará os modelos de coleção, com placa preta.
O preço, entretanto, parece ter acumulado a inflação de 40 anos: o kit sai por R$ 4.500. Só as rodas, R$ 3.900.
A febre da liga leve nos anos 70 rendeu vários apelidos às rodas. Os nomes podiam ser inspirados na aparência (Bolo de Noiva, Palito e Cruz de Malta), nas imitações de esportivos importados (como Mercedes, Porsche e Ferrari), carros proibidos na época, ou no nome da própria fabricante – Jolly, Rodão e Italmagnésio, por exemplo. Mas nenhum apelido está tão bem gravado na mente dos brasileiros como a Gaúcha (foto acima), que equipava a Brasília amarela dos Mamonas Assassinas.

Texto: Marcos Rozen
Fonte: Quatro Rodas

Comments are closed.